Entre os meses de junho e julho, artistas de diversos países do mundo se dedicaram a produzir seus trabalhos para a Exposição de Cartazes “Esperançar, 100 anos de Paulo Freire”. Organizada pelo Instituto Tricontinental de Pesquisa Social, em parceria com as Escolas Paulo Freire e Florestan Fernandes, a editora Expressão Popular e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a chamada teve como objetivo aproveitar o centenário do educador não apenas para homenageá-lo, mas também para reivindicar e difundir sua memória, legado e a radicalidade de suas reflexões.


No aniversário da fundação do Movimento 26 de Julho, o Instituto Tricontinental de Pesquisa Social está lançando a exposição on-line, Let Cuba Live (Deixe Cuba Viver). Um total de 80 artistas de 19 países – incluindo notáveis cartunistas e designers de Cuba- apresentaram mais de 100 obras em defesa da Revolução Cubana.


Em 16 de maio de 1871, a Coluna Vendôme – o símbolo do imperialismo da era napoleônica – desabou. Em homenagem a este aniversário, o  Instituto Tricontinental de Pesquisa Social, juntamente com 26 editoras internacionais, organizou uma exposição online: Comuna de Paris 150. Convidamos artistas de todo o mundo para refletir e reimaginar o legado da Comuna para as lutas populares de hoje e amanhã.


No ano em que a Covid-19 se lançou com força sobre o mundo, 162 artistas de 30 países e 27 organizações contribuíram para as Exposições de Cartazes Anti-imperialistas. Eles responderam a uma série de convocatórias abertas para criar cartazes que expressassem quatro conceitos definidores de nosso tempo: capitalismo, neoliberalismo, imperialismo e guerra híbrida. Foi um processo experimental, organizado em conjunto pelo Instituto Tricontinental de Pesquisa Social e a Semana Internacional de Luta Anti-imperialista.


Imperialismo é a terceira parte da Exposição de Cartazes Anti-imperialistas, lançada no contexto da semana de mobilizações que ocorreu entre 5 e 10 de outubro de 2020. Ela reúne trabalhos de 63 artistas e militantes de 26 países que nos deram um retrato internacional da luta anti-imperialista: a luta contra o neofascismo e agressões militares e por soberania e por proteção aos povos da terra.